Logística reversa para e-commerce

Logística reversa para e-commerce

Quando um cliente faz uma compra em uma loja física e o produto não serve, não era a cor que ele esperava ou algo semelhante, o lojista não é obrigado a fazer a troca. Geralmente, a loja faz por gentileza e para fidelizar o cliente, porém, a substituição é obrigatória apenas em casos de defeito do item. De qualquer forma, se o consumidor quiser trocá-lo, ele pode se dirigir a uma loja física, falar com o vendedor pessoalmente e resolver na “mesma hora”. Quando falamos de e-commerce, esse processo geralmente é mais complicado.

Em uma compra online, existem algumas problemáticas: o consumidor tem o direito, por lei, de desistir da compra em até sete dias. Por não conseguir tocar no produto ou prová-lo, existem muitos casos de troca, pois a cor ou o tamanho da mercadoria nem sempre estão de acordo com o gosto do cliente. Além disso, existe o fator da entrega, que nem sempre é tão rápida quanto se espera. Por isso, ter uma política de logística reversa é extremamente importante para todo e-commerce.

Mas afinal, o que é logística reversa?
As etapas e processos crescem na medida em que o mercado de e-commerce se expande. Por exemplo, se uma loja aumenta suas vendas, é possível que a quantidade de trocas e devoluções também cresça com elas – isso é mais comum em um loja online do que em uma física. Quando isso ocorre, além de se preocupar com a logística de entrega de mercadorias, o lojista precisa planejar e se programar para possíveis trocas ou devoluções e isso requer tanto empenho quanto os demais processos.

Logística reversa no e-commerce enquadra todo o processo do recebimento do produto, pós-venda e até o recolhimento das devoluções. Existem empresas, não necessariamente e-commerces, que trabalham com um programa de logística reversa com um cunho social. O objetivo é incentivar o retorno dos produtos/embalagens até determinado local para que os materiais sejam reciclados.

Por que um planejamento de logística reversa para e-commerce é importante?
Quando você cria uma loja virtual, é indicado que tenha uma logística de entrega, contrato com transportadoras, entre outras coisas. Porém, o que muitas vezes não é avaliado é o custo que a logística reversa terá. Todos os encargos com a devolução da mercadoria ficam por conta do lojista, o que pode ter um valor elevado muitas vezes. Realizar esse processo não é tão simples. É preciso pensar em todas as etapas da devolução: desde o atendimento ao cliente, a forma que o produto será recolhido, transporte para retirada e reenvio, preparo de um novo produto do estoque, até a entrega de fato.

Também é importante definir as políticas de troca dos produtos, se adequando às leis brasileiras. Informe ao seu cliente quando o produto será recolhido e substituído. Além disso, é essencial sempre buscar simplificar os processos, melhorando assim a experiência do usuário. Portanto, o planejamento é fundamental – afinal você prevê um custo/investimento “x” para sua loja e não terá surpresas futuras. Se não planejar, poderá colocar em risco todo o esforço efetuado na criação de seu e-commerce.

Ainda não tem uma loja virtual? Clique aqui, conheça nossa plataforma de e–commerce e crie sua loja virtual agora mesmo.

Venha para o Signashop e tenha uma loja virtual de qualidade, com um investimento justo.

CRIE UMA LOJA E TESTE GRÁTIS POR 14 DIAS

Leave a Reply

Your email address will not be published.