Tudo o que você precisa para montar uma loja virtual

Tudo o que você precisa para montar uma loja virtual

Atualmente, a internet fornece um cenário propício para quem quer montar seu empreendimento. Números promissores, junto a facilidades tecnológicas e grande variedade de serviços incentivam para a criação de uma loja virtual. Segundo a consultoria Ebit, o faturamento do e-commerce nacional em 2017 deve chegar em aproximadamente 50 bilhões de reais, o que seria um aumento de 12 por cento, se comparado ao ano anterior.

Este cenário otimista incentiva os empreendedores a disponibilizar praticamente qualquer tipo de produto online, enquanto os sistemas e recursos permitem que isso seja feito em poucos passos. Entretanto, colocar produtos online e ter um negócio de sucesso são coisas diferentes.

Uma loja virtual bem estrutura requer decisões importantes e conhecimento dos recursos que o mercado disponibiliza. Por isso, colocamos aqui alguns desses pontos indispensáveis para não apenas montar uma loja virtual, mas conseguir sucesso através dela.

Escolha a plataforma da sua loja virtual

Talvez uma das mais importantes decisões que a pessoa tenha que tomar quando o assunto é abrir um e-commerce. Isso porque a plataforma da loja virtual é onde tudo vai acontecer. A plataforma é a base onde os produtos serão apresentados, onde os clientes navegarão para encontrar o que querem e onde será feita a transação comercial. Esses fatores são o que fazem o negócio virtual existir e essa escolha define a qualidade e o método de como isso funcionará.

Hoje, o mercado também conta com variedade de plataformas, porém, é importante saber que o “momento” da loja virtual pode definir a escolha da melhor estrutura. Lojas pequenas, por exemplo, podem necessitar de menos recursos, o que pode significar uma economia em despesas e também em trabalho com alguns procedimentos.

Porém, à medida que a loja cresce, novas funções e exigências podem surgir, fazendo com que a plataforma seja alterada (evoluída) ou até mesmo acontecer a migração de uma plataforma para outra. Neste contexto, uma boa indicação é a plataforma Magento, que, além de seu código aberto, é altamente modulada e pode ser personalizada para o público de acordo com a sua necessidade.

Segurança: a palavra-chave da compra na loja virtual

Toda transação comercial tem como base um elemento: a confiança. Comprar pela internet não é diferente. Um cliente só aceita inserir suas informações pessoais em um site que lhe garanta que seus dados estão seguros. Quando falamos de cartão de crédito, então…

Por isso, nunca se deve ignorar a importância da segurança em uma loja virtual. E, em alguns casos, o uso é até obrigatório. Para quem está começando, alguns nomes já devem estar em evidência, o sistema de segurança SSL é o primeiro deles. De nome Secure Socket Layer, sua função é proteger toda e qualquer informação do cliente inserida em algum formulário. É uma garantia de que quaisquer dados inseridos não serão lidos por qualquer terceiro.

Vale ressaltar, no entanto, que, mesmo que o seu site esteja reforçado com os mais diversos sistemas de segurança, ele pode não estar seguro caso o seu servidor seja relapso quanto a isso. Certificar-se de um bom servidor e contar com ferramentas que monitoram o site são algumas das ações que todo proprietário de loja virtual precisa se atentar.

Os cuidados com o pagamento na loja virtual

Uma das partes mais sensíveis quando o assunto é segurança. O pagamento na loja virtual deve acontecer de forma segura e isso precisa ser deixado claro para o cliente. Na hora de estruturar a loja, é preciso decidir como será feito o pagamento dos pedidos. O mercado atualmente fornece mais de uma opção, sendo necessário avaliar qual está mais alinhada com as intenções da loja.

Até mesmo em níveis de complexidade, é possível escolher entre os intermediadores de pagamento, que são empresas que realizam toda a tramitação, facilitando a vida do lojista. Neste formato, é a empresa que fica responsável por checar possíveis fraudes e também fornece os adiantamentos de recebíveis. As taxas para tais serviços são geralmente um valor fixo por transação, mais as variáveis de acordo com o valor que está sendo trabalhado na venda.

Outras opções mais avançadas são gateway de pagamento e integração direta. Os gateways são sistemas mais completos, com mais possibilidades, porém, com mais exigência de outros serviços, enquanto a integração direta é a opção com mais possibilidades, porém, a que mais exige atenção e equipe para operação, o que pode trazer tanto benefícios como outras questões.

Um serviço obrigatório presente nessas duas opções, por exemplo, é o sistema antifraude. Quando uma compra é feita na internet, os dados inseridos para efetuar a compra podem ser de qualquer pessoa, incluindo de documentos falsos. A checagem da veracidade desses dados é feita por uma empresa especializada, que se responsabiliza por qualquer compra fraudulenta.

Atendimento e suporte da loja virtual

Se o cliente quer se sentir seguro com relação ao sistema, ele também quer saber que há alguém para resolver quaisquer possíveis problemas. O atendimento em uma loja virtual precisa existir, independentemente da escala. Telefone ou e-mail de contato são soluções comuns, porém, devem estar alinhadas com a capacidade de atendimento. Por exemplo, não adianta disponibilizar um canal direto, como o WhatsApp, se a sua frequência de respostas é semanal.

Lojas iniciantes, com um fluxo “menor” de atendimento costumam operacionalizar esses processos internamente, com o próprio lojista tratando diretamente com os clientes. Entretanto, com uma clientela maior, o número de chamados e dúvidas consequentemente aumenta, sendo necessário recorrer a serviços e processo mais ágeis, que podem ser contratados.

ERP – organizando os processos da loja virtual

Outra sigla comum para o mundo do e-commerce, o ERP significa “Enterprise Resource Planning”, que pode ser traduzido como “Planejamento de Recursos da Empresa”. Este é na verdade um sistema que automatiza os muitos processos que fazem parte da operação do e-commerce. Desde a compra, até a entrega do produto, há diferentes passos que precisam ser controlados e monitorados, como a emissão do boleto, confirmação do pagamento, separação do produto, embalagem, emissão da nota fiscal, entre outros.

O ERP é uma das mais comuns soluções para e-commerce e começa a ser fundamental a partir do momento em que os números de pedido começam a crescer.

A logística da loja virtual

Não existe loja virtual sem logística. Quando a compra é efetuada, alguém precisa levar o produto até o cliente. No Brasil, este é considerado o grande gargalo do e-commerce, já que a maior empresa do ramo, os Correios, sofre tanto por paralizações e greves, como pela própria inconstância na qualidade do serviço.

Outras empresas terceiras realizam o mesmo trabalho, que são as transportadoras. São muito mais confiáveis e estáveis, porém, geralmente o custo é maior. Atualmente, no entanto, novos serviços surgem, cada vez mais, com opção para baratear o custo e manter a agilidade de entrega.

E se você chegou até aqui, saiba que, na verdade, isso é só o começo. Montar a loja virtual ainda vai necessitar de outras atenções como os diferentes caminhos para o marketing, a presença nas redes sociais, o conhecimento da legislação vigente para garantir que seu negócio não transgrida a lei e tenha problemas, assim como a necessidade da constante atualização e obtenção de conhecimento, para garantir uma loja melhor e segurança e também os lucros.

Por isso, continue por aqui e veja nossas outras postagens sobre e-commerce e loja virtual. E, caso não encontre o que esteja procurando, deixe sua dúvida aí embaixo e podemos conversar sobre, ou quem sabe até fazer uma postagem sobre o que você

Venha para o Signashop e tenha uma loja virtual de qualidade, com um investimento justo.

CRIE UMA LOJA E TESTE GRÁTIS POR 14 DIAS

Leave a Reply

Your email address will not be published.